Colunista Joice Vancoppenolle: “Por que estamos consumindo mais vinho desde o início da pandemia?”

A imprensa tem falado muito sobre a ideia de que, durante a crise da Covid-19, o mundo estava bebendo mais do que antes. De acordo com o jornal Sydney Morning Herald, as vendas online de um varejista na Austrália, aumentaram de 50 a 75%. A revista Adega, também publicou que a gigante Wine online no Brasil, triplicou suas vendas nos últimos doze meses.
Nos Estados Unidos, os números do site de pesquisa Nielsen para as vendas de vinho, mostraram aumentos dramáticos nas duas semanas após o início do bloqueio em estados-chave, em seguida, uma queda, seguida por outras duas semanas de aumentos (embora menos intensos) – um aumento nas vendas de vinho no Estados Unidos de 29,4% desde o início da Covid-19.
Nos principais países da Europa, março de 2020 teria sido o melhor mês para os comerciantes de massa. Um dos maiores varejistas online do Reino Unido, viu o número de novos clientes aumentar em 300% em março/2020, em comparação com o ano anterior.
Mas o que está por trás dessas manchetes? É simplesmente o medo de forçar as pessoas a beberem vinho ou a necessidade de apoio em tempos de crise? E essa mudança no comportamento de beber vinho está sendo observada em todo o mundo?
Compreender as diferentes atitudes culturais em relação ao vinho é o ponto de partida para entender o que aconteceu; a pandemia e os bloqueios que se espalharam ao longo do período, certamente deixaram isso claro.
Logo após o início do confinamento, em março de 2020, recebi um e-mail de uma loja francesa de bebidas de alta qualidade em Dijon, me dizendo que o sábado seguinte seria um “sábado feliz”, com 20% de desconto em todas as vendas de vinho.
Os comerciantes de vinho permaneceram abertos vendendo o que o governo francês considera produtos essenciais. Fortemente ancorado na psique nacional francesa, o vinho é claramente “de primeira necessidade”.
Na África do Sul, onde o abuso de álcool pode ser visto como um flagelo em si, a oportunidade foi aproveitada para fazer engenharia social em torno do uso de drogas lícitas. O país proibiu todas as vendas de álcool durante o confinamento (bem como cigarros e tabaco). Para aqueles com grandes adegas de vinho, isso terá tido pouquíssimo impacto, é claro! Pois eles podem continuar a beber sua bebida favorita porque é a população branca que tende a beber vinhos caros e isso também é outra forma (embora menor) de ampliar a divisão racial que há muito tempo assola o país.
Também na Austrália Ocidental, foi considerado que a crise era grave o suficiente para introduzir restrições de compra para as pessoas limitarem o consumo excessivo, mas as consequências contrastam com as da África do Sul.
Em 25 de março, o máximo que se podia comprar era três garrafas de vinho por dia, o que dificilmente é um consumo limitado para uma casa – especialmente quando se pode adicionar uma caixa de cerveja ou um litro de destilados. Algumas semanas depois, o governo estadual percebeu que era muito rígido e removeu o limite de uma caixa de vinho por dia.
Enquanto isso, os Estados Unidos estavam mostrando reações mistas. Sob o sistema notoriamente restritivo de três níveis de estado para estado, muitos estados estavam mostrando sinais de facilitar o acesso ao vinho.
Muitos estavam autorizando, certamente pela primeira vez, vendas por varejistas em todo o estado. Mas dois deles – Pensilvânia e Alabama (historicamente redutos da Lei Seca) fecharam todas as lojas de bebidas do estado durante a crise.
Mas será o vinho, um aliado em tempos de confinamento?
Ao refletirmos sobre o impacto da Covid-19 no consumo de vinho, é útil entender por que as pessoas o consomem. A resposta simplista é que o álcool é uma droga e, portanto, o vinho é um impulsionador do humor. No entanto, há uma infinidade de razões para consumi-lo incluindo (entre outras) identidade, significado simbólico, exploração, amizade, status, tradição, autenticidade, as refeições em família…
A tentativa de algumas autoridades públicas de dizer aos consumidores como beber é um exemplo da confusão que pode resultar. No início da pandemia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que o consumo de álcool era uma “estratégia de enfrentamento desnecessária” durante o confinamento. O problema é que a “estratégia de enfrentamento” de uma pessoa é a recompensa de outra, ou o “marcador ritual” que se torna um momento prazeroso e psicologicamente benéfico. Além disso, embora a OMS tenha sugerido que é improvável que alivia o estresse, parece que muitos bebedores discordam deles. Então, como evoluiu o consumo de vinho nestes tempos de pandemia?
Curiosamente, o que muitas lojas de vinho parecem vender mais é sua linha principal, assim, os consumidores estão efetivamente, aderindo a marcas com as quais estão familiarizados e com as quais se sentem confortáveis.
No Brasil, em uma grande rede de supermercados, as vendas desses vinhos estão quase um quarto acima do normal. Isso inclui vinhos como Miolo, Malbec argentino e os vinhos chilenos da Concha y Toro.
Em 27 de abril do ano passado, o The Adelaide Advertiser relatou que os consumidores estavam recorrendo às “marcas mais conhecidas e amadas” no sul da Austrália. Nos Estados Unidos, as vendas de vinhos cabernet sauvignon (tradicionalmente a uva vermelha mais popular e o coração do que é visto como “grandes vinhos”) estão em alta. Nestes tempos de incerteza, as pessoas recorrem a vinhos que lhes dão uma sensação de segurança.
No entanto, as vendas de champanhe caíram drasticamente, acredito que o motivo seja o fato de ser um vinho festivo, e não podermos mais encontrar nossos amigos em bares ou restaurantes, casamentos, cerimônias de formatura, festas de aniversário e até mesmo em nossas casas, como fazíamos autrora.
Nesse ínterim, uma pesquisa que realizei com um grupo de amigos do mundo do vinho muito envolvidos em todo o globo, produziu resultados convincentes.
A maioria deles bebe mais e a maioria (incluindo aqueles que não bebem mais), bebe vinho de melhor qualidade. As mulheres são mais responsáveis ​​por esse aumento do consumo do que os homens. Uma nova organização doméstica devido ao confinamento e fechamento de escolas, pode ser a causa.
Aqueles que beberam menos antes desse período estão menos ansiosos do que aqueles que bebem tanto ou mais do que antes. Recompensa e celebração e a necessidade de evitar o tédio também foram mencionadas, assim como a reunificação da família.
A combinação de comida e vinho tem sido citada com frequência, com a ideia de que o apoio à comunidade e à família se tornou mais importante (uma distinção aqui de outras formas de álcool).
Além disso, muitos entrevistados destacaram a necessidade de consumir vinho para rituais: o marcador do final do dia em um momento em que o confinamento nos faz perder as rotinas e rituais tradicionais da jornada de trabalho ou teletrabalho. De muitas maneiras, o último ano teve efeitos comuns sobre os amantes do vinho em todo o mundo.

Enquanto os profissionais médicos (e alguns governos) usaram o flagelo para reforçar os apelos à abstinência, outros destacaram os benefícios do vinho em tempos de crise – não apenas em relação ao efeito do vinho. Álcool como um conforto, mas também como uma recompensa, ou como um indicador ritual em dias não estruturados. As dimensões de segurança e identidade nacional foram beneficiadas, enquanto para muitos (mas não para todos) o lado festivo do vinho é menos óbvio.
No final, talvez seja “o sexo do vinho” que está passando pela mudança mais marcante. O período parece sublinhar mudanças nas atitudes de homens e mulheres em relação ao vinho: tradicionalmente considerada uma bebida “masculina” em muitas culturas, esse aspecto pode finalmente estar se desintegrando.
O fato é que o consumo de álcool invariavelmente se encaixa em diversos contextos culturais que determinam o que as pessoas bebem ou não.

2 comentários em “Colunista Joice Vancoppenolle: “Por que estamos consumindo mais vinho desde o início da pandemia?”

  • 4 de abril de 2021 em 1:21 am
    Permalink

    muito inteligente nesse artigo. Parabéns!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Popups Powered By : XYZScripts.com
Close