Em maio, estimativa para safra baiana de grãos em 2024 se mantém de queda (-5,8%) frente a 2023

Em maio, estimativa para safra baiana de grãos em 2024 se mantém de queda (-5,8%) frente a 2023**

Neste ano, a produção de grãos no estado deve ser de cerca de 11,439 milhões de toneladas, 708,7 mil a menos do que em 2023 (-5,8%), quando chegou ao recorde de cerca de 12,148 milhões de toneladas;

** Redução prevista se dá, principalmente, pelas estimativas de quedas nas produções de milho 1ª safra (-27,7% ou -650,1 mil toneladas), milho 2ª safra (-8,6% ou -64,0 mil toneladas) e de soja (-0,4% ou -33,8 mil toneladas);

** Em relação à previsão de abril para a safra baiana de grãos, houve total estabilidade;

** Mesmo com a previsão de queda, em 2024 a Bahia ainda deve ter a sétima maior safra de grãos do país, respondendo por 3,9% do total nacional;

** Considerando todos os produtos agrícolas investigados na Bahia, em maio foi mantida a previsão de que 14 das 26 safras sejam maiores em 2024 do que em 2023.

A quinta estimativa para a safra baiana de cereais, leguminosas e oleaginosas (também conhecidos como grãos) em 2024 prevê, em maio, que a produção deve chegar a 11.439.350 toneladas neste ano. Isso representa uma redução de 5,8% (ou menos 708.708 t) em relação ao recorde de 2023 (12.148.058 toneladas).Frente à estimativa de abril houve total estabilidade, não sendo registrada nenhuma alteração em relação à previsão da safra baiana de grãos deste ano.A redução prevista em relação à safra recorde de 2023 se dá, principalmente, por conta das estimativas de quedas nas produções das duas safras de milho e da soja.

A produção baiana da 1ª safra de milho neste ano deverá ser de 1.699.590 toneladas, 27,7% menor (ou -650.130 t) do que a safra 2023 (2.349.720 t). Já a 2ª safra do cereal deverá ser de 681.210 toneladas, 8,6% menor (ou -63.990 t) do que a de 2023 (-745.200 t).Em relação à 1ª safra, a redução da produção de milho na Bahia se dá por conta da queda na área plantada frente a 2023, de 428.000 hectares para 300.500 hectares (-29,8%). Já a 2ª safra apresentou diminuição no rendimento médio, que passou de 2.760 kg/hectare para 2.523 kg/hectare (-8,6%).

soja,principal produto agrícola baiano, que representa quase dois terços (65,8%) de toda a safra de grãos do estado, manteve, em maio, a previsão de uma produção de 7.532.100 toneladas em 2024, o que representa menos 0,4% (ou -33.840 t) em relação ao colhido no ano passado (7.565.940 toneladas).A diminuição da produção baiana de soja frente ao ano anterior se dá, principalmente, pela queda no rendimento médio, de 3.972 kg/hectare para 3.707 kg/hectare (-6,7%)A queda na produção de grãos na Bahia, em 2024, segue o previsto também para o Brasil como um todo.

safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deve ser de 296,8 milhões de toneladas neste ano, segundo a estimativa de maio. Isso representa uma redução de 5,9% frente à obtida em 2023 (315,4 milhões de toneladas). Na comparação com a estimativa de abril houve queda de 0,9% (menos 2,8 milhões de toneladas, de um mês para o outro).Mesmo com a previsão de colher 5,8% menos em 2024, a Bahia ainda deve manter a sétima maior safra de grãos do país, respondendo por 3,9% do total nacional (mesma participação de 2023). Mato Grosso continua na liderança (29,2%), seguido por Paraná (13,4%) e Rio Grande do Sul (12,7%).

As informações são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), realizado mensalmente pelo IBGE. O grupo de cereais, leguminosas e oleaginosas (grãos) engloba os seguintes produtos: arroz, milho, aveia, centeio, cevada, sorgo, trigo, triticale, amendoim, feijão, caroço de algodão, mamona, soja e girassol.

Considerando todos os produtos investigados sistematicamente pelo IBGE na Bahia, a previsão de maio se manteve de alta em 14 das 26 safras, no estado, em 2024.O maior crescimento absoluto continua o da cana-de-açúcar (+74.400 t, ou +1,4%), seguido pelo sorgo (+47.970 t ou +42,3%, maior crescimento percentual) e pelo algodão (+22.425 t, ou +1,3%). As maiores quedas absolutas devem vir do milho 1ª safra (-650.130 t ou -27,7%, também a maior redução percentual), do milho 2ª safra (-63.990 t ou -8,6%) e da soja (-33.840 t ou -0,4%).

Mariana Viveiros

Seção de Disseminação de Informações

Superintendência Estadual do IBGE na Bahia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close