Operadoras regionais de Telecom desenvolvem o mercado

Foto: Unicamp

O GPS do carro, uma videochamada pelo Whatsapp, eletrodomésticos conectados, jogar online com uma pessoa do outro lado do mundo: Muitas vezes esquecemos que todos estes serviços dependem da operatividade de uma empresa de telecomunicações. É nítido perceber a evolução deste mercado nas últimas décadas. Melhores tecnologias, mais velocidade, pessoas mais conectadas. Em um cenário com cada vez mais dispositivos por pessoa, não somente as empresas de tecnologia evoluíram, mas também os provedores do serviço. Entender as tendências deste mercado é fundamental para prever os próximos passos do segmento de telecomunicações no país.

A Selectra, empresa líder mundial em consultoria do cliente de telecomunicações e energia, e no Brasil conhecida como Podecomparar, mostra as razões para a crescente de operadoras regionais no país.

Mercado de telecomunicações no Brasil

Uma das necessidades mais importantes do ser humano é se comunicar. Trocar informações faz com que toda uma rede de indivíduos, que partilham ou não o mesmo espaço físico, possa melhorar, inovar e desenvolver novas formas de comunicação. Esse é justamente o trabalho das empresas de telecomunicações, que podem ser subdivididas segundo o setor. Hoje, já existem muitas empresas que estão especializadas em telecom e, por isso, oferecem serviços individuais ou combinados de:

Telefonia (fixa e móvel)
Internet
TV por assinatura

Porém, em uma rápida análise sobre os três grandes mercados do setor, podemos ver claras diferenças de desempenho entre as grandes e as operadoras de pequeno porte. Segundo a Anatel, no Ranking do Cumprimento de Metas (janeiro-junho de 2019), o top 5 foi dominado pelos provedores regionais. No gráfico abaixo ilustramos o percentual de cumprimento de metas do serviço de televisão por assinatura (DTH, MMDS, SeAC, TVA e TVC).

Pesquisa de Cumprimento de Metas da ANATEL para TV por assinatura 2019

No Brasil, as grandes empresas de telecomunicações já operam por todo o território nacional. Proporcional ao potencial do nosso país, segundo a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), o Brasil representa a 5ª maior rede de telecom do mundo, gerando mais de 500 mil empregos na área.

Dentro deste cenário otimista das telecomunicações, vale mencionar a nova tendência em crescimento: os provedores locais de telecom. Com um aumento anual de assinaturas, este grupo de prestadores locais comprova a premissa de que sim, os consumidores estão mudando e o velho mercado tem sim novos poderosos concorrentes.

Provedores regionais de telecomunicações

A tendência na busca por novos provedores de telecomunicações locais não é fruto somente da crise ou pela busca por melhores preços, mas sim na mudança de hábitos dos consumidores. Está nas vantagens apresentadas pelos pequenos e médios provedores: qualidade e a agilidade nos serviços.

Cada vez mais conta a experiência do consumidor, atrelado a melhores preços. O que justifica a crescente nos números de clientes dos provedores locais está relacionado com o pensar em novas integrações de produtos e serviços. O cliente já não busca pacotes fechados, onde você é obrigado a contratar uma telefonia fixa que não faz sentido na sua vida, ou canais para sua TV por assinatura que não tem interesse em assistir, por exemplo. Serviços rápidos, digitais, on demand e de qualidade é o que busca o novo consumidor. Com quase 1/4 da parcela de contratos de banda larga fixa, os operadores locais também se destacam na média de satisfação geral.

Trazendo números para a análise, podemos ver que no que diz respeito a satisfação do cliente em 2018, as teleoperadoras locais se destacaram no top 5. No gráfico abaixo, você pode ver a nota média de satisfação geral em 2018, desenvolvida pela Anatel, para os serviços de televisão por assinatura em SP.

Pesquisa de Satisfação da ANATEL para serviços de TV por assinatura em São Paulo 2019

É notório ver como outras pequenas operadoras, como a Nossa TV, especializam sua oferta em nichos. Na avaliação da Anatel, a operadora de pequeno porte teve a melhor nota (8,98) na satisfação geral do serviço de TV por assinatura em São Paulo. A Nossa TV, pertence ao Grupo de Empresas do Missionário RR Soares, que entre outras se destacam, a RiT – Rede Internacional de Televisão e a Rede Nossa Rádio AM e FM. A empresa foi fundada pelo líder da Igreja Internacional da Graça, R.R. Soares, com a proposta de oferecer conteúdo para famílias brasileiras. Desde setembro de 2007, a Nossa TV opera nas modalidades de sinal de definição padrão (SD) e depois investiu também em alta definição (HD).

Novos cenários que favorecem as operadoras locais

Em 2017, a Agência Nacional de Telecomunicações, por meio da resolução 683, aprovou o compartilhamento de infraestrutura a prestadoras de serviço de telecomunicações. A ideia é que a concorrência não seja por torres, cabos ou postes e sim em oferta de serviços, velocidade e preço. Desta forma, as operadoras de telecom orientam-se à eficiência no uso dos recursos, possibilitando o investimento em serviços digitais e conteúdos exclusivos para seus clientes.

Novos modelos de negócio estão ajudando a reconfigurar o mercado das telecomunicações no Brasil e no mundo. Empresas pequenas, se comparadas às grandes operadoras, crescem cada vez mais rápido, ocupando brechas onde as grandes não têm interesse em chegar e com a qualidade que não podem garantir devido ao tamanho de suas transações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *