Muito tempo de tela pode causar ansiedade e depressão em crianças e adolescentes

Por Bem Estar

Muito tempo gasto em jogos, smartphones e televisão está associado a níveis elevados e a diagnósticos de ansiedade ou depressão em crianças a partir dos 2 anos de idade, de acordo com um novo estudo.

Mesmo depois de apenas uma hora de tela diariamente, crianças e adolescentes podem começar a ter menos curiosidade, menor autocontrole, menos estabilidade emocional e maior incapacidade de terminar tarefas, relata Jean Twenge, psicólogo da Universidade Estadual de San Diego e Keith Campbell, professor de psicologia da Universidade da Geórgia.

Os resultados de Twenge e Campbell foram publicados em um artigo, “Associações entre tempo de tela e menor bem-estar psicológico entre crianças e adolescentes: evidências de um estudo de base populacional”, publicado este mês na revista cientifíca “Preventative Medicine Reports”.

Twenge e Campbell estavam particularmente interessados ​​em associações entre tempo de tela e diagnósticos de ansiedade e depressão em jovens, o que ainda não foi estudado em grande detalhe.

Suas descobertas fornecem alguns dados mais amplos em uma época em que os jovens têm maior acesso à tecnologias digitais e gastam mais tempo usando tecnologia eletrônica exclusivamente para entretenimento, e também como autoridades de saúde estão tentando identificar as melhores práticas para gerenciar o vício em tecnologia.

“Pesquisas anteriores sobre associações entre tempo de tela e bem-estar psicológico entre crianças e adolescentes têm sido conflitantes, levando alguns pesquisadores a questionar os limites do tempo de tela sugeridos por organizações médicas”, escreveram Twenge e Campbell em seu artigo.

O Instituto Nacional de Saúde dos EUA estima que os jovens geralmente gastam uma média de cinco a sete horas em telas durante o tempo de lazer. Além disso, um corpo crescente de pesquisas indica que essa quantidade de tempo de tela tem efeitos adversos na saúde geral e no bem-estar dos jovens.

A Organização Mundial da Saúde decidiu incluir o vício em videogames na 11ª revisão da Classificação Internacional de Doenças. A organização está encorajando “maior atenção dos profissionais de saúde aos riscos do desenvolvimento desse distúrbio”, já que o vício em jogos pode agora ser classificado como uma doença.

As descobertas do estudo

Utilizando dados da Pesquisa Nacional de Saúde Infantil de 2016, Twenge e Campbell analisaram uma amostra aleatória de mais de 40.300 pesquisas de cuidadores de crianças de 2 a 17 anos.

A pesquisa nacional foi administrada pelo Census Bureau dos EUA por correio e on-line e perguntou sobre tópicos como: atendimento médico existente; questões emocionais, desenvolvimentais e comportamentais; e comportamentos de jovens, incluindo o tempo de tela diário.

Twenge e Campbell excluíram jovens com condições como autismo, paralisia cerebral e atraso no desenvolvimento, pois as condições podem afetar o funcionamento do dia a dia de uma criança.

Os pesquisadores descobriram que os adolescentes que passam mais de sete horas por dia nas telas eram duas vezes mais propensos do que aqueles que passavam uma hora a terem sido diagnosticados com ansiedade ou depressão – um resultado significativo. No geral, as ligações entre o tempo de tela e o bem-estar foram maiores entre os adolescentes do que entre as crianças pequenas.

“No começo, fiquei surpreso que as associações fossem maiores para os adolescentes”, disse Twenge.

“No entanto, os adolescentes gastam mais tempo em seus telefones e nas mídias sociais, e sabemos de outras pesquisas que essas atividades estão mais fortemente ligadas ao baixo bem-estar do que assistir televisão e vídeos, que é a maior parte do tempo de tela das crianças mais jovens”, diz Twenge.

Veja outros destaques do estudo de Twenge e Campbell:

  • O uso moderado de telas, quatro horas por dia, também estava associado a um bem-estar psicológico menor do que o uso de uma hora por dia.
  • Entre os pré-escolares, os usuários mais experientes de telas apresentavam o dobro de chances de perder a paciência e 46% de chance de não se acalmar quando agitados.
  • Entre os adolescentes de 14 a 17 anos, 42,2 % daqueles que passaram mais de sete horas por dia nas telas não concluíram as tarefas, contra 16,6% daqueles que passaram uma hora por dia e 27,7% daqueles ocupados por quatro horas.
  • Cerca de 9% dos jovens de 11 a 13 anos que passaram uma hora com telas diariamente não estavam curiosos ou interessados ​​em aprender coisas novas, em comparação com 13,8% que passaram quatro horas na tela e 22,6% que passaram mais de sete horas com telas.

Quantas horas por dias?

O estudo fornece mais evidências de que os limites estabelecidos de tempo de tela da Academia Americana de Pediatria – uma hora por dia para aqueles com idade entre 2 e 5 anos, com foco em programas de alta qualidade – são válidos, disse Twenge.

O estudo também sugere que limites semelhantes – talvez duas horas por dia – devem ser aplicados a crianças e adolescentes em idade escolar, disse Twenge, também autor de “iGen: Por que as crianças superconectadas de hoje estão crescendo menos rebeldes, mais tolerantes, menos felizes – e completamente despreparados para a idade adulta”.

Em termos de prevenção, o estabelecimento de possíveis causas e resultados de baixo bem-estar psicológico é especialmente importante para crianças e adolescentes. “Metade dos problemas de saúde mental se desenvolve na adolescência”, escreveram Twenge e Campbell em seu artigo.

“Assim, há uma necessidade aguda de identificar fatores ligados a questões de saúde mental passíveis de intervenção nessa população, pois a maioria dos antecedentes é difícil ou impossível de influenciar”, continuaram.

“Em comparação com esses antecedentes mais intratáveis ​​da saúde mental, a maneira como as crianças e adolescentes passam seu tempo de lazer é mais acessível a mudanças”, concluíram.

Foto: Pixaby

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *