Laboratório Vivo Tinharé propõe desenvolvimento sustentável de arquipélagos turísticos

 
A ação é resultado da parceria entre Prefeitura de Cairu, Câmara de Vereadores municipal, instituições acadêmicas e as secretarias estaduais da Bahia – Foto: Márcio Filho

Um espaço para pesquisa, ação e intervenção sobre sustentabilidade de arquipélagos turísticos é a proposta do Laboratório Vivo Tinharé, implantado no município de Cairu, na Costa do Dendê, desde setembro de 2019. O tema foi discutido nesta segunda-feira (10) na reunião que envolveu representantes da Prefeitura Municipal de Cairu, pesquisadores e secretários estaduais da Bahia, na Sede Secretaria de Turismo do Estado (Setur).

O projeto envolve também Instituto de Desenvolvimento Sustentável do Baixo Sul da Bahia – IDES, Universidade Estadual Santa Cruz, Universidade Federal do Espírito Santo e IF Baiano. A apresentação teve como objetivo incluir na ação as secretarias estaduais do Meio Ambiente, da Cultura/Ipac e da Ciência, Tecnologia e Inovação, além do Turismo.

Questões como ordenamento de barracas de praia, fornecimento de água e energia elétrica, regulamentação de ocupações e saneamento básico, entre outras, foram debatidas durante o encontro. “Cairu é o terceiro destino turístico da Bahia, e é preciso estruturar o município para receber sempre melhor os visitantes, além claro de beneficiar o morador. Essa é uma preocupação constante do Prefeito Fernando Brito e sua equipe” , disse a secretária de Turismo de Cairu, Diana Farias.

O secretário estadual do Turismo, Fausto Franco, valorizou a relevância do projeto. “É um encontro importante, principalmente por promover esta transversalidade de secretarias porque o turismo está integrado de uma forma ou de outra com áreas diversas, como meio ambiente, cultura e patrimônio histórico”, afirmou ele.

Laboratório Vivo

O projeto tem como conceito tornar-se um espaço de referência para debate, estudo, pesquisa, ação e intervenção sobre sustentabilidade de arquipélagos turísticos, tomando o município arquipélago de Cairu como laboratório vivo. “Pretende-se, com esta experiência, mostrar para o mundo que é possível a promoção do desenvolvimento de forma diferenciada, sustentável”, explicou o professor Edmilson Teixeira, da Universidade Federal do Espírito Santo, um dos idealizadores do projeto.

Implantado a partir de setembro de 2019, o Laboratório vem evoluindo a partir de duas linhas de ação. Uma delas é o Desenvolvimento de Projeto Piloto, em Morro de São Paulo, envolvendo balneabilidade de praias, saneamento básico, processos erosivos, patrimônio material e imaterial e as relações com o turismo, cultura, educação e ambiente urbano.

A outra linha de ação é a elaboração do Plano de Ação do Laboratório para o período 2020-2022, com o envolvimento de atores locais, regionais e estaduais. O prazo previsto para a consolidação é até o ano de 2030.
O encontro envolveu a Prefeitura de Cairu, Câmara de Vereadores municipal, instituições acadêmicas e secretarias estaduais da Bahia – Foto: Divulgação

Participaram da reunião, dentre outros, o diretor do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), João Carlos de Oliveira; a chefe de Gabinete da Secretaria do Meio Ambiente do Estado (Sema), Cássia Magalhães; os superintendentes de Desenvolvimento Científico, Washington Rocha, e de Inovação, Agnaldo Freire, da Secretaria de Ciências, Tecnologia e Inovação do Estado (Secti); a Diretora do Instituto de Desenvolvimento Sustentável do Baixo Sul da Bahia, Liliana Leite a secretária de Turismo de Cairu, Diana Farias, o Secretário de Administração de Cairu, Valdinei Cruz e a diretora de Gabinete da Setur, Ana Guanaes.  *Gess

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *