Colunista Joice Vancoppenolle: “Sob o sol chileno”

O Chile é uma longa e estreita faixa de terra, que se estende por 4.300 km do norte ao sul, ladeada pelo Pacífico a oeste e a Cordilheira dos Andes a leste, fechada ao norte e ao sul por deserto e por geleiras. O vinhedo se concentra essencialmente no Vale Central ao redor da capital Santiago.

As primeiras vinhas foram plantadas em 1551 e o vinho produzido era usado para fins sacramentais pelos devotos colonizadores católicos da Espanha.

A Merlot é a uva que fez a fama dos vinhos chilenos. No clima quente do Chile, a Merlot produz vinhos de cor intensa, carregados com fruta madura e suave.

Talvez o segredo mais importante desse país seja que os vinhos que ocupam o topo da lista custam uma fração do preço de vinhos de outras regiões, além de serem de excelente qualidade. Uma das razões para isso é que os custos da produção são relativamente baixos.

O melhores vinhos chilenos tendem a vir das altas altitudes, onde a temperatura flutua significativamente do dia para a noite. Essa oscilação ajuda as uvas a desenvolverem uma ampla complexidade, bem como níveis de acidez, para equilibrar sabores de fruta madura que ocorrem naturalmente nesse clima quente. Alto Maipo é uma dessas regiões; outra é o Alto Cachapoal.

A região de Maipo produz alguns dos melhores Cabernet Sauvignons do país. Ela é a palavra para se procurar nos rótulos quando procuramos por essa variedade de uva. O Escudo Rojo é um excelente vinho dessa região. Degustei, aprovei e recomendo essa assemblage da Cabernet Sauvignon e da Merlot. O resultado é um vinho carregado na cor, intenso, maduro, com aromas de violeta, ameixas suculentas, cerejas pretas, cedro, um discreto defumado, especiaria e baunilha. Sedoso na boca, envolve o paladar com chocolate e café. Simplesmente magnífico!

Para os amantes de vinho branco, Casablanca é uma região famosa por seus vinhos Sauvignon Blanc e Chardonnay. Procure por Casablanca no rótulo quando estiver comprando um vinho branco chileno que seja vibrante.

Carménère é a variedade de uva mais característica do Chile. As matrizes dessa uva foram trazidas de Bordeaux, França, no final do século XIX e durante muitos anos os viticultores acreditaram que fosse a Merlot. A Carménère produz um vinho rico, picante, com cor intensa e atraente. Casillero Del Diablo é um exemplo de vinho com sabor de ameixas, chocolate, café e carvalho tostado – com preço/qualidade imbatíveis.

A variedade de uva Syrah vem se destacando no país com diferentes estilos dependendo da região. No Aconcágua, produz vinhos encorpados, ricos e com frutas vermelhas suculentas, maturadas ao máximo no calor do sol.

Aqueles que apreciam a viticultura orgânica, podem conferir a vinícola Carmem no Vale do Maipo. Os vinhos são de excelente qualidade, pois graças ao clima e a geografia do Chile, a indústria de vinhos orgânicos tem crescido consideravelmente nos últimos anos.

O Chile não é mais somente uma terra de bons vinhos, mas uma terra de grandes vinhos.

“O grau de civilização de um povo é sempre proporcional à qualidade e a quantidade dos vinhos que consome.”

Babrius

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *