Colunista Joice Vancoppenolle: “Como saber, quando beber”

 

A regra é simples: a maioria dos vinhos está pronta para o consumo logo após ser engarrafada.

Saber quando beber um vinho depende de sua habilidade de detectar a concentração da fruta, do tanino, do nível de acidez, de álcool e do equilíbrio desses quatro elementos. A concentração da fruta e os taninos diminuem à medida que o vinho envelhece, enquanto a acidez e o álcool permanecem constantes. Assim, um vinho com mais fruta e tanino que acidez e álcool, melhora com o tempo. Quando a concentração da fruta e os taninos estão em equilíbrio com a acidez e o álcool, o vinho está pronto para ser bebido.

Agora vamos à degustação que você pode fazer sozinho ou com seus amigos, daquela garrafa que você tanto namorou antes de comprá-la. Antes de começar a degustação lembre-se que a concentração da fruta é percebida quando mantemos o vinho na boca e seus sabores são liberados.

Os taninos são percebidos ao redor das gengivas como uma sensação de secura semelhante ao que sentimos quando bebemos chá verde ou chá preto.

O nível de acidez é detectado como uma sensação de algo azedo, percebido nos lados da língua, estimulando a salivação.

O álcool é percebido como uma sensação de calor no fundo da boca, principalmente após a deglutição.

Eu sempre considerei a degustação de vinhos tantos jovens, quanto de guarda, como algo essencial para estreitar as relações com amigos, porque comungamos de experiências inesquecíveis.

Saber quando um vinho de guarda está pronto para beber é algo subjetivo. Algumas pessoas gostam de vinhos jovens, descomplicados e ainda frescos, enquanto outras preferem vinhos com níveis de complexidade que se desenvolvem com o amadurecimento.

Algumas variedades de uvas desenvolvem-se melhor com a guarda que outras, e com isso amadurecem com mais elegância. Algumas uvas tintas que tendem a amadurecer bem são a Cabernet Sauvignon, a Nebiollo (que é a uva dos vinhos Barolo e Barbaresco) e a Pinot Noir. A Gamay (do vinho beaujolais) e a Cabernet Franc, por outro lado, são melhores quando bebidas ainda jovens.

As uvas brancas geralmente não envelhecem tão bem quanto as vermelhas devido à ausência dos taninos, que são conservantes naturais. Alguns vinhos brancos melhoram após algum tempo engarrafados, em especial aqueles vinificados com as uvas Riesling, Pinot Gris e Chardonnay, desde que tenham sido cuidadosamente elaborados e apresentem concentração suficiente de fruta.

O champanhe pode envelhecer por décadas se ele for elaborado com as melhores frutas dos melhores anos, tem grande potencial para melhorar depois de engarrafado. Procure por produtores de qualidade.

Muitas vezes é difícil distinguir os vinhos de baixa qualidade (que são ásperos quando degustados) daqueles de alta qualidade, mas que ainda não estão prontos para ser bebidos. Ambos apresentam taninos ásperos e são muito desagradáveis de serem degustados. Uma sugestão pode ser conferir o preço, mas a maneira mais certa de se dizer é avaliando equilíbrio do vinho. Um vinho de baixa qualidade mostrará baixa concentração de fruta em relação aos taninos, à acidez e ao álcool, enquanto o de alta qualidade será comparativamente em fruta.

Tournai, 29 de outubro 2020

Joice Vancoppenolle

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Popups Powered By : XYZScripts.com
Close