Chevrolet anuncia 30 lançamentos no Brasil até 2022




Serão 20 modelos inéditos e outras 10 novas versões ou séries especiais; nova geração do Onix terá motor 1.0 turbo flex

20 destes lançamentos serão novos produtos. Os outros 10 dizem respeito a novas versões ou séries especiais.“Esta é a maior renovação da linha Chevrolet na história da marca na região, reforçando o nosso compromisso em colocar o cliente no centro de tudo o que fazemos. Os novos produtos vão surpreender o mercado com conteúdo e tecnologias inéditas”, diz Carlos Zarlenga, presidente da GM Mercosul.

A gama de produtos da marca deve aumentar. A Chevrolet tem hoje 15 modelos em sua linha, ou 18 se considerarmos todas as diferentes opções de carrocerias da S10 como modelos diferentes.

Há um plano de investimento de R$ 13 bilhões no país para o período entre 2014 e 2019, mas há outro grande aporte por vir.

Do montante, R$ 1,9 bilhão foi direcionado para a duplicação da fábrica de motores em Joinville (SC) e R$ 1,4 bilhão foi para a fábrica de Gravataí (RS), que produz o Prisma e também o Onix, para viabilizar a produção de novos modelos.

Ainda há 1,2 bilhão investido na fábrica de São Caetano do Sul (SP), que hoje produz Cobalt, Spin e Montana e passará a produzir novos modelos a partir do final de 2020.

No Brasil, a única planta sem investimentos anunciados até o momento é a de São José dos Campos (SP), encarregada de S10 e Trailblazer.

O que vem por aí?

A base para boa parte desta nova série de lançamentos é a plataforma GEM, sigla para Global Emerging Markets ou “global para mercados emergentes”, em tradução literal. Toda a nova família de compactos será baseada nesta arquitetura.

De acordo com as diretrizes da GM, o desenvolvimento dos carros derivados dessa plataforma ficará sob responsabilidade da filial chinesa, junto com a sua parceira local, SAIC. Na China, a estreia desta nova plataforma será com a nova geração do sedã compacto Sail.

Por aqui, deverá estrear no ano que vem com as novas gerações de Onix e Prisma feitos em Gravataí, o que deixa de fora Onix e Prisma Joy, que mantêm o design antigo do modelo e são produzidos em São Caetano do Sul.

O objetivo da GM é usar a plataforma GEM para formar uma famíia de compactos composta por um hatch, dois sedãs, um SUV, um “SUV-cupê” e duas minivans (uma de cinco e uma de sete lugares).

São planos que passam pelo futuro de Onix, Prisma, Cobalt, Spin e Tracker. Vale dizer que a nova geração da Spin ainda demora para ser lançada. A reestilização da minivan, que não muda desde o lançamento em 2012, será em breve. Sua próxima geração será gêmea do próximo Lova RV chinês.

Quem não deve ser contemplada com novidades é a picape Montana. A Chevrolet diz que ela é boa do jeito como é hoje: barata. Picape entre Montana e S10 também foi descartada.

Pelo menos um dos novos modelos será fabricado na Argentina, onde a General Motors investirá US$ 300 milhões. De acordo com a marca, o carro “faz parte de uma nova linha de modelos globais destinados a novos segmentos”.

Também entra nos planos de lançamentos a reestilização de Cruze e Cruze hatch, já mostrada lá fora, uma futura reestilização do Equinox e novas versões do Camaro.

Novos motores a caminho

A duplicação da fábrica de motores de Joinville é fundamental para estes planos. Junto com a nova base, os modelos também ganham novos motores. Segundo uma fonte, há novos motores 1.0 e 1.0 turbo com injeção direta flex sendo trabalhados para o Brasil.

A versão turbo será usada em modelos maiores, como o novo SUV compacto. Em Onix e Prisma, será usado nas inéditas versões topo de linha Premier.

O 1.0 aspirado é uma solução brasileira: será trocado por um 1.2 aspirado a gasolina em outros mercados do Mercosul.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *