Bahia gabarita atuação ruim, e Dabove precisa rever escalação e trocas inexplicáveis

O Bahia de Diego Dabove cumpriu à risca o manual de atuações ruins na derrota por 2 a 0 para o Internacional, neste domingo, pela 22ª rodada da Série A: o individual, o coletivo, a estratégia, a postura. Pouco ou nada se tira como positivo desta tarde. Consequentemente, o Tricolor foi presa fácil para a maior virtude do seu adversário: a bola parada.

Fica evidente que Diego Dabove busca um time titular ideal no Bahia e, ao longo desse percurso, faz escolhas, no mínimo, duvidosas. Neste domingo, escalou Rodriguinho e Edson nos lugares de Daniel e Lucas Araújo. Na zaga, Lucas Fonseca permaneceu em campo até o segundo gol do Inter.

Mugni em Internacional x Bahia — Foto: Felipe Santana / EC Bahia / Divulgação

Mugni em Internacional x Bahia — Foto: Felipe Santana / EC Bahia / Divulgação

Bom lembrar que a entrada de Rodriguinho durou menos de dez minutos, já que ele se machucou e deu lugar a Gilberto. Pelo tempo, não dá nem para dizer se essa estratégia surtiria efeito, mas é fato que nenhuma outra alternativa no jogo funcionou.

Com a bola no chão, apesar de passivo na marcação, o Bahia conseguiu segurar o Colorado sem maiores dificuldades. O problema é que pecou na bola aérea, justamente a principal força do adversário. O Inter, que havia explorado as costas de Nino, não vacilou com Yuri Alberto em falha coletiva no fim do primeiro tempo. Entre cinco jogadores, o atacante se deslocou e subiu soberano nas costas de Isnaldo.

 No segundo tempo, o gol de Rodrigo Dourado, também se deslocando sem companhia na zaga do Bahia, deu números finais ao jogo.

Na hora de atacar, o Tricolor mostrou a conhecida dificuldade para criar. Era bola no alto para ver o que Gilberto e Rodallega conseguiam. E aqui vão alguns pontos importantes: por mais que sirva de apoio defensivo ao lateral e marque até a bandeirinha de escanteio, Isnaldo contribuiu muito pouco do meio para frente. Óscar Ruiz, com menos que isso, não justifica a série de oportunidades.

Quando decidiu trocar a dupla, Dabove se complicou ainda mais. Matheus Galdezani e Thonny Anderson reapareceram e foram opções para virar o jogo diante do Internacional. Depois, Patrick de Lucca e Gustavo Henrique. Daniel, que foi titular no último jogo, e Maycon Douglas, que entrou no decorrer daquela partida, sequer foram a campo nesta tarde.

Embora ainda esteja em início de trabalho no Bahia, Dabove tem ao seu lado as semanas livres para ajustes e conhecimento sobre o elenco. Nesta tarde, mostrou que o tempo foi mal aproveitado. *G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Popups Powered By : XYZScripts.com
Close