Altas temperaturas aumentam incômodo de quem já tem hiperidrose

Dr. Marcelo Pato, Dr. Rodrigo Maia e Dr. Sandro Fabrício Oliveira (Da esquerda para a direita).

 

Você sofre de Hiperidrose? Tem suor excessivo nas mãos, pés ou axilas? A condição, que também é classificada como sudorese excessiva, ocorre porque as glândulas sudoríparas dos pacientes são hiperfuncionantes, o que pode afetar todos os aspectos da vida de uma pessoa, desde a escolha da carreira e atividades recreativas até relacionamentos, bem-estar emocional e autoimagem.

 

De acordo com um levantamento feito pelo Instituto Ipsos em 2013, aproximadamente 10% da população brasileira sofre de hiperidrose. Em geral, o problema pode se apresentar de duas formas: primária (focal) ou secundária (generalizada).

 

A primária pode aparecer na infância ou adolescência, geralmente, nas mãos, pés, axilas, cabeça ou rosto, e normalmente, há mais pessoas na mesma família com o problema. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, esse tipo afeta de 2% a 3% da população, no entanto, menos de 40% dos pacientes com essa condição consultam um médico.

 

Por outro lado, a Hiperidrose secundária, generalizada, é causada por uma condição médica, pelo efeito colateral de uma medicação, etc. Nestes casos, as pessoas suam em todas as áreas do corpo ou em regiões incomuns, inclusive durante o sono. Em geral, ela surge na fase adulta, e existem dois testes para se descobrir a área específica da hiperidrose: o teste de amidoiodo e o do papel de teste.

 

Segundo o médico especialista da Clínica de Tratamento do Suor, Dr. Sandro Fabricio Oliveira, a hiperidrose pode decorrer por diferentes causas, como fatores emocionais, hereditários ou doenças, com diferentes regiões do corpo podendo ser acometidas, como axilas, palmas das mãos, rosto, cabeça e plantas dos pés.

 

O médico Dr. Rodrigo Maia, também especialista da CTS, explica que a condição é um distúrbio do sistema nervoso autônomo, que geralmente é sentido a partir da adolescência, e que prejudica a vida social de quem lida com o problema, sobretudo, por ser associado erroneamente com a falta de higiene.

 

“Os adolescentes com hiperidrose se sentem inseguros e incomodados, pois, nesta fase da vida, essas situações que podem afetar a autoconfiança e autoestima, fazendo com que se evitem contato físico. Em muitos casos, o suor nas axilas é taxado como problema de falta de higiene, fato que não possui relação com o paciente que sofre de hiperidrose”, explica o especialista.

 

Para quem sofre com o problema, entre as diversas opções de tratamento está a Simpatectomia, que busca solucionar a hiperidrose de forma minimamente invasiva, com segurança, cicatriz discreta e com rápido retorno às rotinas.

 

“Com este procedimento, se corta ou pinça o nervo que transmite o estímulo à glândula sudorípara, desligando o sinal que avisa ao corpo para suar excessivamente”, explica Dr. Marcelo Pato da Clínica de Tratamento do Suor.

 

Já para quem sofria com o problema, a exemplo de Diego Costa, que recorreu ao procedimento para recuperar sua qualidade de vida, o sentimento é de uma autoestima recuperada. “Eu sofria com sudorese excessiva nas mãos, pés e axilas. Mas agora, recuperei minha autoestima, até meus amigos comentam, que já posso voltar a apertar as mãos deles”, conta.

 

Da mesma forma, Elias Santos viu sua vida mudar após o procedimento. Ele, que sofria com o problema desde a infância, conseguiu recuperar seu bem-estar. “Conheci a CTS, e desde o início minhas dúvidas foram esclarecidas. O procedimento foi realizado de forma perfeita, não tenho mais aquele mal que me atormentava, hoje estou muito mais feliz, e sou muito grato a toda equipe da CTS. Meu sonho foi realizado”, diz.

 

CTS 

 

Criada com o objetivo de combater a hiperidrose, através da conscientização dos pacientes e tratamento cirúrgico, com um serviço especializado, de qualidade, e atendimento humanizado aos seus clientes, a Clínica de Tratamento do Suor é formada por médicos especializados e engajados em fomentar a consciência da Hiperidrose e seus impactos para o paciente e sociedade no qual está inserido, além de realizar o tratamento cirúrgico para reduzir ou até extinguir, de forma definitiva, a hiperidrose dos pacientes.

 

A CTS tem ainda o intuito de gerar conhecimento científico para estudos da hiperidrose no Brasil, e de aprimorar os métodos clínicos e cirúrgicos que visem a melhoria e bem-estar dos pacientes.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Popups Powered By : XYZScripts.com
Close