Ações voltadas para a mandiocultura no Extremo Sul baiano começam a mostrar resultados

Agricultores familiares do Extremo Sul baiano, contemplados com a distribuição de mudas de mandioca, por meio do Plano de Ação Territorial da Mandiocultura (PATM), comemoram os resultados da colheita.
O Plano, que é executado pelo Comitê Territorial da Mandiocultura, está no quarto ano, e já implantou 16 maniveiros, nos 11 municípios que compõem o Território de Identidade Extremo Sul, dentre eles, Alcobaça, segundo maior produtor de mandioca da Bahia.
Os maniveiros, áreas individuais ou coletivas em que são plantadas as manivas, tanto para a produção de mudas quanto de raízes, já estão em fase de colheita e chegaram a render mais 70 toneladas por hectare.
Para a implantação dos maniveiros, foram necessárias 68 mil mudas/manivas, disponibilizadas pela Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), em parceria com a Biofábrica, localizada em Ilhéus.  A iniciativa visa fortalecer a cultura da mandioca, colocando a atividade no calendário de desenvolvimento do Extremo Sul.
Francisco dos Santos, presidente da Associação do Assentamento Nova Deli, município de Jucuruçu, destaca os resultados com o maniveiro implantado no assentamento: “Nós já implantamos uma área com cinco mil mudas de mandioca e já estamos produzindo farinha. Estamos implantando outra área de plantio, com duas variedades, e já fizemos distribuição de manivas para vários assentados, reforçando o plantio em seus lotes. Para nós é muito importante ver o envolvimento das pessoas nesse projeto, esperamos desenvolvê-lo cada dia mais”.
Francisco salienta que no assentamento também já conseguiram reconstruir uma farinheira que estava desativada, onde atualmente está funcionando, e produzindo bastante, a fábrica de farinha.
Fabiana Longo, técnica da Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater) no Serviço Territorial de Apoio à Agricultura Familiar (Setaf), unidade da SDR, e membro do Comitê, explica que o Extremo Sul é uma território que propicia a produção de mandioca e o PATM veio potencializar isso: “Estamos trabalhando com esse aumento de produtividade e, mesmo que neste período de pandemia do coronavírus as ações tenham sido reduzidas, não paramos as atividades”.
Fabiana observa que entre os 16 maniveiros implantados, um é chamada de ‘maniveiro guardião’, porque detém 23 variedades de mandioca, produzidas pela Embrapa e multiplicadas pela Biofábrica, para a distribuição entre os agricultores. Além desses maniveiros, o território possui ainda 16 unidades demonstrativas, que produzem cultivares locais, potencializando o banco de sementes do território.
O PATM
O Plano de Ação Territorial da Mandiocultura foi iniciado em 2016, por iniciativa do Programa de Desenvolvimento Territorial (Prodeter), do Banco do Nordeste, com o apoio da Suzano Papel e Celulose, Colegiado Territorial do Extremo Sul, secretarias municipais de Agricultura e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Mandioca e Fruticultura, com a participação de representantes de associações e cooperativas da agricultura familiar e o apoio da SDR, por meio da Bahiater.
As reuniões da coordenação de execução do PATM com técnicos e secretários de Agricultura estão acontecendo de forma remota neste período, para que o diálogo seja mantido com os agricultores, a fim que possam dar continuidade, mediante os cuidados recomendados, às atividades na base produtiva.
Entre as atividades que estão sendo desenvolvidas está a capacitação, inicialmente com técnicos e em seguida com os produtores, sobre o Modelo de Farinheira Sustentável, que vem sendo desenvolvido no território e está dando certo. A ação consiste na adequação das casas de farinhas, para que os agricultores possam trabalhar em conformidade com a legislação, especialmente no que tange à manipueira – a água residual da mandioca, que é altamente poluente.
Outra ação que está em curso é a elaboração de um podcast da mandiocultura, que vem sendo chamado de ‘Mandiocast’, um canal aberto de informações sobre temas relevantes. Será veiculado nas plataformas digitais, para os produtores e toda a sociedade.
Investimentos na mandiocultura baiana
Os agricultores e agricultoras familiares cultivam 90% da mandioca plantada na Bahia. O Estado ocupa o terceiro lugar na produção do país. O Bahia Produtiva, projeto do Governo do Estado, executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR/SDR), está investindo cerca de R$10 milhões na base de produção dessa cadeia, que é de extrema importância para a economia dos municípios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *